Voltar | Home / Mídia / Arquitetura e Saúde – Espaço Interdisciplinar

Arquitetura e Saúde – Espaço Interdisciplinar

Arquitetura e Saúde – Espaço Interdisciplinar

11 de maio de 2017

O conceito de interdisciplinaridade refere-se a interação entre duas ou mais disciplinas pertinentes em torno de um objetivo comum causando o enriquecimento de ambas, que passam a depender uma da outra. Num mundo complexo como o de hoje, com tantas discrepâncias, desafios e especializações, onde a rapidez dos meios de comunicação e da ciência resultam numa enorme fragmentação do conhecimento, a integração dos saberes, ou seja, a interdisciplinaridade, é vista como caminho para a construção de uma concepção unitária do ser humano para o desenvolvimento de um pensamento que atenda as dificuldades e desafios atuais.

 

Os muitos resultados positivos de ações interdisciplinares já provaram a importância de rever as rígidas divisões estabelecidas entre as disciplinas das áreas de exatas, humanas e biológicas.

 

O objetivo deste texto é mostrar como a arquitetura vem se tornando uma referência para os estabelecimentos de saúde, influenciando nos resultados. Os desafios estabelecidos nessa nova era são de criar espaços humanizados, centrados no paciente, colaborando para a sua autonomia estabelecendo adequadas relações psicológicas com o espaço que o acolhe, como elemento fundamental da desejada cura.

 

Uma nova abordagem para Projetos Hospitalares

Antigamente, os espaços destinados ao atendimento de saúde privilegiavam somente a prática médica, e de forma geral eram racionalistas e funcionais. Porém, com o desenvolvimento da medicina, assistimos nas últimas décadas, o surgimento de novos conceitos para a arquitetura hospitalar que incorporam a visão do paciente, trazendo para seus espaços, os signos e valores que encontramos em nossas casas e uma integração com o espaço exterior. Hoje a arquitetura é considerada fundamental não só no tratamento, como na prevenção de doenças.

 

Surgiu então uma nova especialidade, a arquitetura hospitalar, que preconiza, além de projetar espaços para a cura dos males físicos, criar suporte emocional para o tempo de internação hospitalar, onde a concepção e desenho dos espaços tenham um impacto positivo, melhorando a qualidade de vida durante o tempo de permanência no hospital. Outro foco também importante da especialidade está na funcionalidade dos espaços, nos fluxos ideais para o desempenho de suas práticas de assistência e cuidados aos pacientes, uso e local adequado para os equipamentos, normas de segurança, assim como na atenção a equipe de trabalho, suas demandas, conforto, produtividade e agilidade.

 

Fim dos ambientes frios e estressantes.

No projeto de um espaço destinado a saúde muitos cuidados são necessários para fugir dos ambientes frios e despersonalizados tão comuns ainda hoje nos laboratórios, clínicas médicas e hospitais. É necessário, por exemplo, eliminar fatores ambientais estressantes, como ruídos, falta de privacidade, iluminação e ventilação inadequadas, cores frias e ambientes muito fechados.

 

Os usuários deverão se sentir à vontade para circular em ambientes de fluxo fácil, com boa sinalização, mobiliário adequado e confortável. São importantes o uso de cores, o conforto visual, acústico e térmico, a presença de iluminação natural, a interação com áreas verdes, sempre que possível, e obras de arte ou de design para tornar a atmosfera acolhedora.

 

Alta tecnologia e a humanização.

A elaboração do projeto arquitetônico para construção de estabelecimentos de saúde é um processo complexo que como vimos deve satisfazer à variedade de critérios técnicos e de compatibilidade físico-funcionais, observando, entre outros aspectos, a satisfação do usuário por meio de conforto e da humanização.

 

Portanto, a arquitetura hospitalar tem o desafio de agregar no mesmo espaço as constantes evoluções da tecnologia de ponta com o devido conforto e cuidados com o paciente, para estabelecer adequadas relações psicológicas do indivíduo com o espaço que o acolhe, como elemento fundamental da cura.

 

A acr arquitetura concilia arquitetura humanizada com eficiência, inovação e tecnologia

A expertise da equipe acr na área de saúde se consolidou com o conhecimento da legislação específica e de um atendimento diferenciado para hospitais, centros de reprodução humana, centros diagnósticos e clínicas. A acr acredita que a eficiência, a tecnologia e a inovação são compatíveis com a humanização, como prova nos seus trabalhos desenvolvidos para os centros diagnósticos Fleury, CDB, Salomão Zoppi , as clínicas médicas Dr. Consulta, entre outras.

 

Elaborar estes projetos requer conhecimento interdisciplinar e visão abrangente do negócio saúde. Além da arquitetura, é fundamental conhecer o perfil dos clientes, dos usuários e suas peculiaridades.

 

Hoje não se fala em arquitetura hospitalar sem pensar em sustentabilidade, alta tecnologia, humanização, inovação, gestão de saúde e desospitalização.

 

 

 

 

 

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Top