Voltar | Home / Mídia / Arquitetura Escolar no Século XXI

Arquitetura Escolar no Século XXI

Arquitetura Escolar no Século XXI

26 de novembro de 2016

A arquitetura escolar está cada vez mais associada com políticas pedagógicas, considerando o aluno como um indivíduo inserido integralmente no espaço físico. Em um passado não muito distante, as salas de aula apresentavam um layout rígido, com cadeiras enfileiradas, fixadas no chão e o professor em posição de destaque. Isto representava um ensino engessado, no qual o controle e a autoridade eram figuras presentes, traduzidas em um ambiente apático, onde o bem-estar dos alunos não era considerado. Como conjugar um espaço que possui alta rotatividade de pessoas, geralmente em três turnos, atendendo a humanização e fugir da famigerada padronização?

 

 

Conceitos e Tendências sobre Arquitetura Escolar Humanizada

 

O século XXI, com sua arquitetura inovadora e sustentável vem responder com seus projetos que é possível pensar em um ambiente que consiga atender a necessidade de cada aluno, respeitando sua individualidade. A partir da experiência, conceitos e tendências surgiram alguns projetos deste cunho, sendo que os mais pertinentes são:

A era do conhecimento. Com acesso a informação por múltiplos canais, o professor deixa de ser o único detentor de conhecimento e passa a ser enxergado como um guia. Essa quebra de paradigma reflete diretamente no ambiente, promovendo a inovação espacial;

 

Unicidade com o projeto pedagógico. Visando resultados efetivos, o projeto arquitetônico deve confluir com o conteúdo pedagógico, criando um ambiente propício à execução das atividades, seja dentro ou fora da sala de aula;

 

Priorização do conforto ambiental nos projetos. O equilíbrio entre o conforto térmico, lumínico e acústico, contribui para o melhor rendimento do aluno e impacta diretamente no processo de aprendizagem. Quando observado, contribui até mesmo para a melhora da saúde dos escolares.

 

Mobiliários ajustados. Móveis padronizados e dispostos em fileiras são substituídos por um mobiliário ajustável, adequando-se às necessidades dos infanto-juvenis e atendendo inclusive os que possuem necessidades especiais. Aqui, o conforto e o design é apontado como um conceito objetivo, que estimula o aprendizado;

 

Integração de espaços. A sala de aula comumente conhecida é substituída muitas vezes por salões de estudo. Aqui, a interação entre os alunos das mais diversas idades é estimulada, potencializando a compreensão do conteúdo lecionado;

 

Cores. Dentro desta nova arquitetura, as cores ajudam a criar um ambiente acolhedor e aconchegante. Vale lembrar que aqui ela pode auxiliar, gerando estímulos cerebrais com as cores quentes e provocando relaxamento com os tons mais frios;

 

Inserção da unidade escolar dentro do ambiente. As unidades escolares devem ser pensadas como parte de um todo e não ficarem restringidas aos muros que as circundam, Nesse sentido, a arquiteta Doris Kowaltowski acredita que a comunidade deve ser consultada nos mínimos detalhes do projetos, ao qual aquele espaço educacional irá atender.

 

Sustentabilidade. Aqui, emerge a preocupação em criar um ambiente saudável para o aluno e sustentável para o meio ambiente. Desde a utilização de materiais recicláveis até o plantio de árvores no terreno onde se localiza a escola, a sustentabilidade é um dos principais pilares desta nova arquitetura. Iniciativas como o reuso de água e captação de energia solar também são adotadas para a economia de recursos naturais.

 

 

 

Arquitetura Escolar na Atualidade

Uma sociedade evoluída é aquela que está ciente que o aluno precisa sentir-se à vontade dentro da escola e consegue proporcionar ferramentas para seu pleno desenvolvimento. O Brasil, impactado diretamente pelas novas políticas pedagógicas e exemplos que são comuns ao redor do mundo, começa a dar seus primeiros passos rumo a uma arquitetura escolar que seja humanizada e sustentável.

 

ACR na Arquitetura Escolar Humanizada

A ACR Arquitetura, sempre atenta às novas tecnologias e inovações no tocante à arquitetura e educação, projetando unidades escolares que atendem às essas novas demandas do século XXI. Fizemos um projeto que ganhou o XII grande prêmio de arquitetura corporativa, para a reforma e ampliação do Colégio Miguel de Cervantes, onde conseguimos superar vários desafios e propor um solução que contempla sustentabilidade ambiental, acessibilidade e humanização em arquitetura escolar. Tudo isto ainda incorporando a missão, valores e cultura da organização.

 

Top