Voltar | Home / Mídia / Arquitetura Hospitalar: um bom hospital se constrói pensando nas pessoas

Arquitetura Hospitalar: um bom hospital se constrói pensando nas pessoas

Arquitetura Hospitalar: um bom hospital se constrói pensando nas pessoas

23 de agosto de 2017

Devido a constatação da influência dos aspectos psicológicos e culturais no processo de recuperação dos pacientes, a arquitetura hospitalar mudou. Está cada vez mais humanizada, ou seja, com foco nas pessoas.

Logicamente, é grande a atenção com a constante evolução tecnológica, a concepção de fluxos ideais para as práticas médicas e a escolha adequada para a localização dos equipamentos, mas o grande diferencial da arquitetura em saúde é, hoje, o bem-estar dos pacientes e seus familiares. O objetivo é proporcionar aos pacientes a sensação de estar em sua própria casa, pois isso influencia diretamente no processo de cura.

 

O início da arquitetura humanizada

 

O livro “The Science of Place and Well-Being”, escrito por Esther M. Sterberg, fala sobre os chamados “espaços de cura” http://www.acr.arq.br/blog/arquitetura-humanizada citando uma pesquisa de 1980 que demonstrou que pacientes que mantinham contato com a natureza se recuperavam mais rápido.  A partir daí, constatou-se que a saúde do ambiente ou a humanização deste está diretamente ligada à saúde do corpo e mente.

 

Escolhas estruturais e decorativas corretas, que visem o aspecto humano, ajudam a criar espaços de cura que sejam práticos, funcionais, com excelência dos serviços e atendimento, mas que fujam totalmente dos antigos ambientes de saúde frios e impessoais.

 

Porém, a humanização de ambientes hospitalares compreende um volume muito grande de informações que pedem aprofundamento e muito conhecimento. E, vale lembrar e ressaltar que a percepção de humanização é resultado de um conjunto amplo de parâmetros, medidas, procedimentos e atitudes.

 

Diferenciais na arquitetura visando o paciente

 

O diferencial da arquitetura hospitalar se dá já na chegada do paciente ao local. Um ambiente espaçoso porem acolhedor, iluminado por suave luz natural, com a presença de objetos de arte, bom design e plantas, transmite sensação de familiaridade, desde a recepção até no momento de internação hospitalar, quando muitas vezes o paciente está tenso e preocupado.

A luminosidade é um ponto chave tanto para o bom desempenho das atividades funcionais e laborativas, quanto para dar personalidade e ambientar o espaço, além de proporcionar bem-estar para os pacientes.

O conforto higrotérmico também é fundamental para a obter a sensação de bem estar, obtido somente através do controle do acúmulo da temperatura e da umidade do local.

A circulação é outro item fundamental no planejamento. O paciente tem que se sentir à vontade para circular no ambiente, encontrando tranquilamente os serviços que procura. Para isso, o fluxo tem que ser intuitivo e inteligente, com disposição coerente dos serviços oferecidos e ter uma sinalização clara e eficiente, de fácil compreensão. Uma demonstração disso foi o trabalho feito pela acr para o dr.consulta. http://www.acr.arq.br/blog/importancia-da-arquitetura-para-o-dr-consulta.

 

Conforto e acolhimento na arquitetura hospitalar

 

O conforto e acolhimento agora compõem centros médicos. Utilizar este recurso está diretamente ligado à integração do paciente com o ambiente, quebrando dessa forma o distanciamento com a instituição e trazendo uma atmosfera de acolhimento e proximidade.

Pensando nisso, e na criação de espaços acessíveis e agregadores, o plantio de áreas verdes e a utilização de amplas áreas de ventilação natural, renovam constantemente o ar e possuem duas funções concomitantes: proporcionam uma sensação familiar e combatem a infecção hospitalar, ajudando a manter as condições sanitárias dentro do estabelecido pela legislação.

Devem ainda ser eliminados fatores ambientais que causem stress, como luminosidade excessiva, barulho, ar condicionado muito forte e falta de privacidade. Um tratamento acústico adequado influencia na recuperação dos pacientes ao propiciar melhores condições de sono, que por sua vez interfere na sua recuperação física e emocional.http://www.acr.arq.br/blog/arquitetura-hospitalar-humanizada-conforto-acustico

 

Colaborando para a sensação de acolhimento e conforto, a escolha dos acabamentos, mobiliário e cores devem ser objetos de muita atenção, fugindo do básico frio e tradicional. O mobiliário deve ser ergonômico e adequado ao estilo e porte da instituição, assim como do fluxo previsto de pessoas. As cores, fugindo do antigo branco impessoal dos antigos ambientes de saúde, devem trazer personalidade ao ambiente e estar em harmonia com o espaço, o que traz conforto ao olhar.

 

A acr e o respeito ao cliente e ao paciente.

 

A acr arquitetura, ciente dos benefícios proporcionados por este modelo, apoia iniciativas deste cunho, concebendo projeto inovadores, sustentáveis e humanizados em todo o Brasil. Isso mostra que é possível conciliar as exigências desse mercado tão competitivo e sua tecnologia de ponta, com os cuidados e atenção que a arquitetura humanizada tem com as pessoas.

 

 

 

 

Top