Voltar | Home / Mídia / Arquitetura na saúde: Nova Central Técnica da Beneficência Portuguesa/SP

Arquitetura na saúde: Nova Central Técnica da Beneficência Portuguesa/SP

Arquitetura na saúde: Nova Central Técnica da Beneficência Portuguesa/SP

12 de março de 2018

A nova Central Técnica que analisa os exames clínicos da BP (Beneficência Portuguesa de São Paulo), comandada pelo Grupo Fleury, está de mudança para um espaço maior e melhor.

 

Composta pelos setores de microbiologia, bioquímica, hematologia, microscopia, entre outros, é um dos novos desafios da acr arquitetura – parceira há mais duas décadas do Grupo Fleury: projetar o novo ambiente em uma área de formato irregular de 620 metros quadrados, acomodando 52 pessoas e diversas máquinas de última geração.

 

A necessidade desse tipo de atividade dentro de um hospital se justifica pela quantidade de exames e pela necessidade de resultados rápidos, onde decisões médicas e a continuidade de tratamentos dependem de um resultado laboratorial.

 

Layout inteligente prioriza o fluxo dedutivo

Antes de colocar o projeto no papel, a equipe acr sempre escuta atentamente o cliente e seus colaboradores para compreender os procedimentos e a rotina daquele ambiente de saúde e sua atividade.

 

Nessa etapa anterior a de colocar o projeto no papel a curiosidade tem de falar mais alto, o arquiteto precisa exercitar a empatia, colocando-se no lugar do outro, para buscar soluções arquitetônicas eficazes que garantam um dia a dia mais harmonioso. Como resultado, obtém-se um layout inteligente, dedutível, em que todo o processo de trabalho flui melhor.

 

Bem-estar e conforto do profissional da área da saúde

Em uma área técnica como essa é fundamental oferecer boas condições de trabalho para o colaborador, alinhando a arquitetura de forma coesa e funcional, para que ele divida o espaço com os equipamentos de forma segura. Sentindo-se confortável ele tende a produzir mais e melhor.

 

É essencial atentar a todos os detalhes técnicos e operacionais para montar o “quebra-cabeça”: as peças têm de se encaixar perfeitamente. Para isso é necessário conhecer como cada máquina funciona. Ela tem motor muito forte?É barulhenta? Esquenta? É portátil? Os compartimentos abrem para que lado? Tudo, absolutamente tudo, tem de ser previsto para que o espaço seja distribuído de maneira correta, para evitar conflitos entre equipamentos e colaboradores etambém para facilitar a manutenção dos equipamentos sem interferir na rotina dos trabalhos.

 

Com essas e outras informações na mão, define-se a melhor iluminação, exaustão e ventilação para cada setor. Determina-se também que tipo infraestrutura e instalações cada equipamento precisa, como água e energia, assim como é essencial saber que tipo de resíduo a máquina ou o procedimento gera – sólido, líquido, infectante ou não.

 

Projeto de Arquitetura na saúde em constante evolução.

Um setor baseado em tecnologia como o da saúde, onde novos procedimentos e equipamentos acontecem constantemente, é importante que o projeto permita ajustes frequentes no layout. Assim, todo projeto de arquitetura na área da saúde precisa ser flexível, para mudanças ou expansões, de maneira fácil, ágil e limpa. Daí a necessidade de constante atualização no que há de mais moderno no ramo da saúde, tecnologia, arquitetura e construção civil.

 

Em tempo: a obra do novo espaço está sendo executada pela PKT Engenharia e se encontra na fase de instalação das divisórias.

 

Top