Voltar | Home / Mídia / A arquitetura a serviço da saúde

A arquitetura a serviço da saúde

A arquitetura a serviço da saúde

03 de agosto de 2017

O ambiente hospitalar é um local de promoção de cura e de vida. Como uma cidade, é um ambiente orgânico complexo, em constante evolução em função de mudanças científicas, sociais, tecnológicas e mercadológicas.

Nesse sentido, o planejamento arquitetônico é capaz de atender as exigências determinadas pelo setor e desempenhar um papel fundamental na concepção de espaços que proporcionem a execução do trabalho da equipe médica de maneira funcional e eficiente, cumprindo com rigor as exigências técnicas (tanto tecnológicas como normativas),  e da Anvisa, as tendências e competitividade de mercado e visando o bem-estar do cliente.

É imprescindível o estudo minucioso do espaço em questão, seus objetivos de uso, funcionários e público a ser atendido. O escritório de arquitetura deve trabalhar na lógica da prevenção e incluir conceitos no projeto do espaço que contribuam para a excelência do atendimento.

 

A influência do edifício na prevenção de infecções

 

Todo o cuidado e atenção devem ser dados a escolha do local de implantação do hospital, aos diferentes ambientes que formam a sua planta física: desde a determinação das áreas críticas, semi-críticas e não críticas-, aos recursos arquitetônicos para higienização das mãos e das roupas, limpeza e desinfecção dos ambientes, até a prevenção de incêndios, e instalações elétricas, climatização e acabamentos.

A prevenção faz parte do escopo da arquitetura hospitalar, englobando os aspectos preditivos de infecção, segurança, administração e manutenção, entre outras.

 

A importância da flexibilidade dos espaços

 

Os espaços dos estabelecimentos de saúde precisam estar sempre prontos a sofrer modificações. Novos ambientes podem ser criados para acomodar novas funções, novos equipamentos e tecnologias, demandas administrativas e de segurança, exigências técnicas, expansões de acordo com as necessidades.

O projeto deverá contemplar a possibilidade de mudanças sem sacrifício da funcionalidade do serviço prestado e utilizar recursos de maneira racional, eficiente e sustentável, utilizando materiais construtivos inteligentes, que permitam receber inovações tecnológicas a qualquer momento.

 

A arquitetura e o novo conceito de saúde

 

Nos últimos 100 anos o conceito de saúde mudou o mundo e passou a ter relação com os aspectos sociais, culturais e psicológicos. O hospital começou a ser visto como um ambiente que, além de proporcionar a cura pelo tratamento, possibilite aos pacientes a prevenção e ofereça espaços de descanso e descontração, auxiliando assim no seu tratamento. Nesse sentido, a arquitetura hospitalar humanizada tem papel fundamental na concepção de espaços tanto agradáveis quanto eficientes, que transmitam ao paciente a sensação de conforto, segurança e acolhimento.

 

Novos hospitais com novos serviços

 

Hoje em dia, vários hospitais oferecem serviços como lojas, restaurantes, cabelereiros, entre vários outros, sendo natural que todo esse organismo seja cada vez mais regido por leis, normas, regulamentações e portarias, vindas de diversos órgãos e instituições. Para tanto, é importante que o escritório de arquitetura esteja apto para conceber um ambiente destinado a promoção de saúde que também contemple diferentes espaços e serviços, conciliando conflitos.

 

A arquitetura e a gestão de saúde

 

Por todas as questões citadas, o planejamento arquitetônico é cada vez mais valorizado nos projetos de saúde. Com ele, é possível otimizar o trabalho, controlar infecções, elevar o nível de qualidade dos serviços prestados e contribuir para a recuperação e bem estar dos pacientes e seus familiares.

 

 

 

Top