Voltar | Home / Mídia / Desafios da arquitetura: transformar espaços de saúde.

Desafios da arquitetura: transformar espaços de saúde.

Desafios da arquitetura: transformar espaços de saúde.

15 de fevereiro de 2018

Cada projeto de arquitetura é único, pensado e elaborado sob medida, e geralmente apresenta suas complexidades e desafios. E não foi diferente com a unidade Pedroso de Moraes da Rede a+ Medicina Diagnóstica – empresa pertencente ao Grupo Fleury –, inaugurada no final de 2017. Localizada na rua de mesmo nome, tem como vizinho o maravilhoso Instituto Tomie Ohtake, um dos marcos do bairro paulistano de Pinheiros.

 

a+ Medicina Diagnóstica: uma antiga residência, virou um edifício de saúde rigorosamente dentro das normas

 

O grande desafio desse projeto assinado pela acr arquitetura consistiu em reformar uma antiga residência de 600 metros quadrados de dois pavimentos – térreo + um –, transformando-a em um edifício de saúde rigorosamente concebido dentro das normas técnicas brasileiras e da Vigilância Sanitária num prazo recorde.

Uma arquitetura residencial com quartos, guarda-roupas, portas estreitas, escadas e corrimãos de madeira cedeu lugar a um centro de diagnóstico completo, com identidade própria, composto de elevador, escada, corrimão, sanitários, piso, forro e pé-direito adequados ao ambiente de saúde.

A fachada seguiu a linguagem moderna, contemporânea, reta e simples de toda a rede. Resumindo: foi descaracterizado qualquer traço que lembrasse a antiga moradia trazendo a identidade proprietária da marca para o empreendimento.

 

Projeto da acr arquitetura para a nova unidade do a+ priorizou a ambiência

 

Cada espaço ganhou diferentes elementos, como cor, iluminação e mobiliário, que beneficiam tanto quem presta o atendimento clínico como quem o recebe, favorecendo um convívio mais humanizado, acolhedor e resolutivo. Isto é, uma boa ambiência deixa o lugar mais organizado, receptivo e confortável para todos que usufruem dele.

E no novo endereço da a+ Medicina Diagnóstica os clientes terão acesso a análises clínicas, ao núcleo feminino – com mamografia, ultrassonografia, colposcopia e densitometria óssea – e ao de medicinal fetal – com cardiotocografia e ultrassom fetal –, além dos seguintes exames: eletrocardiograma, mapa e holter.

Este foi um dos 20 projetos do Grupo Fleury assinados somente em 2017 pela acr arquitetura, que em 2011 desenvolveu o conceito arquitetônico da Rede a+ Medicina Diagnóstica, criando padrão de acabamentos, mobiliários e fluxos de atendimento.

 

 

Top